Colunas


Histórias que eu conto

Por Homero Malburg -

Homero Bruno Malburg é arquiteto e urbanista

É pra facilitar ou pra complicar?


Rádio de válvulas (foto: ilustrativa)

Dai você liga para o Serviço de Atendimento ao Cliente: 0300 xxxxxx. A simpática voz já começa : - Esta ligação será cobrada a tantos reais o minuto mais impostos. Se você quiser saber da sua conta tecle 2; se quiser o saldo, tecle 4; se quiser adquirir algum produto tecle 6 e finalmente: se quiser falar com um de nossos atendentes tecle 9. É isso aí, nove! Em seguida ouço: - Todos os nossos atendentes estão no momento ocupados, mas você pode ligar de novo até as 22 horas.

E nessa balada se leva uns três dias de tentativas para pedir para “Seleções” parar de mandar os livros que não dou conta de ler; parar os bancos não mandarem mais cartões de crédito ou reclamar do absurdo que foi aquela anuidade que me cobraram. E a resposta que obtenho dos famosos atendentes é sempre a mesma arenga decoradinha que nada resolve. Desconfio que são robôs...

Fui para a praia e meu telefone estava com defeito. Reclamei pelo celular. Pediram-me o número do telefone. Dei. Pediram-me o número do contrato do telefone impresso no alto e à direita da fatura. Daí em diante levei mais de 30 minutos tentando convencer todos os atendentes que me foram passados que não tinha a conta comigo. O telefone era de Bombinhas, sim, mas a conta tinha ido para a minha casa em Itajaí. – Então o senhor vai ter que ir buscá-la! Resultado: quando um chefão cedeu às minhas súplicas, o horário de atendimento já tinha finalizado.

Semana passada minha casa e escritório ficaram sem energia elétrica. Pensei que fosse manutenção, mas com a demora, liguei para a Celesc. Cortaram a minha luz! Conta de agosto atrasada. Levei à Celesc a conta que eu havia pago no “atendimento automático” do meu banco com peito estufado de tanta razão. A moça consultou a tela e sapecou: - Sinto muito senhor, mas sua fatura não está quitada. Fui ao banco, saquei um extrato para provar e... surpresa! Todas as contas pagas naquele dia tinha sido debitadas mas a da Celesc, nem sinal! Até hoje não me deram explicação.

Sexta-feira, dia 29 fiz uma surpresa para a Élia. Comprei um aparelho celular “Vivo” mais moderninho com luzinhas e musiquinhas. Paguei, transferi o número do antigo para o aparelho novo e, à noite, dei o presente. Não funcionou! Voltei sábado: - tenha calma, já vai funcionar. Nada. Na segunda, a desculpa era que o “sistema” estava com problemas. Resumindo: a Élia recebeu seu presente funcionando quarta, às 16 horas. Ficou só cinco dias sem o novo e sem o velho...

Estou começando a desconfiar destas modernidades. Afinal, o sistema é tão burro quanto quem o opera. Quero telefone que apenas funcione. Livros daqueles que compro no Edir. Começo a sentir saudades das filas de banco onde pelo menos me divertia ouvindo “causos”.

Qualquer dia vendo meus telefones, os aparelhos de TV, DVD, vídeo e o resto. Vou comprar um rádio de válvulas. Bem daqueles que levavam tempo para esquentar e tinha o fio de tomada e dois botões: um deles ligava e regulava o volume e o outro procurava as estações.


Comentários:

Deixe um comentário:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.

Leia mais

Histórias que eu conto

Anos cinquenta II

Histórias que eu conto

Histórias da Hercílio Luz

Histórias que eu conto

Tempos de Ginásio III

Histórias que eu conto

Tempos de ginásio II

Histórias que eu conto

Carnaval? O quê?

Histórias que eu conto

Tempos de ginásio

Histórias que eu conto

Escolas: velhas e novas

Histórias que eu conto

A funda

Histórias que eu conto

Anos cinquenta

Histórias que eu conto

Nos anos cinquenta...

Histórias que eu conto

Alguém ainda se lembra?

Histórias que eu conto

Trânsito sensato

Histórias que eu conto

Caçando e pescando

Histórias que eu conto

Anos de música

Histórias que eu conto

Coisas da moda...

Histórias que eu conto

Camboriú, de novo

Histórias que eu conto

Camboriú, ainda

Histórias que eu conto

Praia de Camboriú

Histórias que eu conto

Cabeçudas

Histórias que eu conto

Tempos de rádio



Blogs

A bordo do esporte

Inaê Sailing Team segue entre os primeiros da Copa Mitsubishi

Blog do JC

Não sabe de nada...

Blog da Jackie

Verão, calor, quentura e mormaço

Gente & Notícia

Warung reabre famoso pistão, destruído por incêndio, com Vintage Culture em março

Blog da Ale Francoise

Intestino preso, use todos os dias

Blog do Ton

Medicina Estética

Blog Doutor Multas

Como parcelar o IPVA de forma rápida e segura

Blog Clique Diário

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado



Entrevistão

Entrevistão Adão Paulo Ferreira

"Porto sozinho não serve para nada. Ele precisa ter navios, linhas"

Irmã Simone

"Aqui nós atendemos 93% SUS”

Eduardo Rodrigues Lima

"A Marinha já fez 27 mil abordagens a embarcações no Brasil inteiro”

Edison d’Ávila

"O DIARINHO serve como uma chamada à consciência da cidade”

TV DIARINHO




Especiais

MEIO AMBIENTE

Ibama proíbe pulverização aérea de agrotóxico letal a abelhas, o tiametoxam

Caso Ilha de Marajó

Vereadora de Navegantes está entre os políticos que impulsionaram fake news sobre exploração sexual infantil

TURISMO

Japaratinga: vale a pena se hospedar no melhor resort do Brasil?

VIAGEM NO TEMPO

Museu do Carro traz nostalgia e diversão sobre o universo automotivo

NOVOS TEMPOS

SC é pioneira na promoção da mobilidade elétrica



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯








MAILING LIST

Cadastre-se aqui para receber notícias do DIARINHO por e-mail

Jornal Diarinho© 2024 - Todos os direitos reservados.
Mantido por Hoje.App Marketing e Inovação