Colunas


Histórias que eu conto

Por Homero Malburg -

Homero Bruno Malburg é arquiteto e urbanista

Camboriú, de novo


(foto: DIVULGAÇÃO PMBC)

Os verões de Camboriú sempre exerceram um grande fascínio para nós, jovens. Nos anos cinquenta, mais para o pessoal das cidades do Vale, principalmente para os que tinham casa de veraneio. Nos anos sessenta, com o início de uma atividade voltada para o turismo, veio o “boom”.

Além do Mariluz, do Boliche, do San Remo, existia na avenida Brasil, um nigth-clube, nos melhores moldes daqueles que víamos nos filmes e como imaginávamos ser os “inferninhos” de Ipanema. Pequeno, escurinho, ar pesado da fumaça dos cigarros, boa bebida – apesar de cara – e uma música espetacular. Chamava-se “Dimas Bar”.  De propriedade do Dimas Campos de família com raízes itajaienses, apresentava o melhor da época em música ao vivo. Muita bossa-nova, jazz e outras modernidades ao som de um piano, baixo e bateria.

Ficava no centro, em um segundo piso de uma casa de madeira, por onde se acessava por uma escada estreita de um lance só. Dizia-se que, nas brigas, a pessoa que caísse por ela parava na rua, pois não havia patamar. O som do conjunto animava as noites com o Dimas no piano e algumas “canjas” do Zé Acácio, do Nene, do Balhu e de outros cobras que lá apareciam.

No verão de 67 surgiu um fenômeno musical internacional: Herb Alpert e Tijuana Brass. E, como não podia deixar de ser, o Dimas, sempre ligadíssimo, arranjou um trompetista e, atacavam o “Whipped Cream”, o maior sucesso do LP, com inteira competência. Da mesma forma, quando Roberto Carlos estreou, o disco nem tinha saído da forma e já o Dimas “mandava tudo o mais para o inferno...”.

Nesta época o Sebastião Reis, inventivo, ligado aos eventos e também, homem da noite com o famoso “Seare’s Bar” em Itajaí, inventou o promover o “1” Festival do Cinema Brasileiro de Balneário Camboriú”. No novíssimo cine Delatorre, todos os “filmes-cabeça” da época. O chamado “cinema-novo” estava no auge. Como o jovem não estava muito a fim de pensar, de ver sertão, fome miséria e cabras-da-peste, incluíram no Festival “A Noviça Rebelde” que lotou a casa com a Julie Andrews e as crianças da família Trapp, rodopiando e cantando nos Alpes nevados, para o deleite dos veranistas de Camboriú.


Comentários:

Deixe um comentário:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.

Leia mais

Histórias que eu conto

Anos cinquenta II

Histórias que eu conto

Histórias da Hercílio Luz

Histórias que eu conto

Tempos de Ginásio III

Histórias que eu conto

Tempos de ginásio II

Histórias que eu conto

Carnaval? O quê?

Histórias que eu conto

Tempos de ginásio

Histórias que eu conto

Escolas: velhas e novas

Histórias que eu conto

A funda

Histórias que eu conto

Anos cinquenta

Histórias que eu conto

Nos anos cinquenta...

Histórias que eu conto

Alguém ainda se lembra?

Histórias que eu conto

Trânsito sensato

Histórias que eu conto

Caçando e pescando

Histórias que eu conto

Anos de música

Histórias que eu conto

É pra facilitar ou pra complicar?

Histórias que eu conto

Coisas da moda...

Histórias que eu conto

Camboriú, ainda

Histórias que eu conto

Praia de Camboriú

Histórias que eu conto

Cabeçudas

Histórias que eu conto

Tempos de rádio



Blogs

Blog do JC

Mudou

A bordo do esporte

Thiago Pereira e Swim Floripa levam Troféu José Finkel para Floripa

Blog da Jackie

Verão, calor, quentura e mormaço

Gente & Notícia

Warung reabre famoso pistão, destruído por incêndio, com Vintage Culture em março

Blog da Ale Francoise

Intestino preso, use todos os dias

Blog do Ton

Medicina Estética

Blog Doutor Multas

Como parcelar o IPVA de forma rápida e segura

Blog Clique Diário

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado



Entrevistão

Entrevistão Adão Paulo Ferreira

"Porto sozinho não serve para nada. Ele precisa ter navios, linhas"

Irmã Simone

"Aqui nós atendemos 93% SUS”

Eduardo Rodrigues Lima

"A Marinha já fez 27 mil abordagens a embarcações no Brasil inteiro”

Edison d’Ávila

"O DIARINHO serve como uma chamada à consciência da cidade”

TV DIARINHO

O projeto que obriga o uso de sacos e sacolas ecológicas no lugar de sacos de lixo e sacolas plásticas ...




Especiais

Caso Ilha de Marajó

Vereadora de Navegantes está entre os políticos que impulsionaram fake news sobre exploração sexual infantil

TURISMO

Japaratinga: vale a pena se hospedar no melhor resort do Brasil?

VIAGEM NO TEMPO

Museu do Carro traz nostalgia e diversão sobre o universo automotivo

NOVOS TEMPOS

SC é pioneira na promoção da mobilidade elétrica

PLANEJAMENTO URBANO

Camboriú vai investir mais de R$ 60 milhões em mobilidade



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯








MAILING LIST

Cadastre-se aqui para receber notícias do DIARINHO por e-mail

Jornal Diarinho© 2024 - Todos os direitos reservados.
Mantido por Hoje.App Marketing e Inovação