Colunas


Histórias que eu conto

Por Homero Malburg -

Homero Bruno Malburg é arquiteto e urbanista

Tempos de rádio


Equipe da Difusora transmitindo o baile de Debutantes da Sociedade Vila (foto: CLUBE DOS ENTAS ITAJAI)

Rádio em Itajaí era a Difusora. A pioneira, desde os anos 40, sob o comando de Dagoberto Nogueira, era dona absoluta do “pedaço. ZYK-9, se bem me lembro. Os aparelhos de rádios, pesadões, começaram a ser substituídos por outros, mais leves. Mesmo assim até válvulas ainda precisavam ter tempo para esquentar depois de ligado o aparelho. Isso até a chegada dos radinhos “transistor”. Claro, que, com os jovens ouvindo rádio todo o dia, começaram a questionar aquela história de:  “Fulano oferece a Sicrana, com muito amor e carinho...”  Apareceu então a Rádio Clube de Itajaí, com novo tipo de programação que obrigou a Difusora também a reciclar. Vieram para cá, novos radialistas. Antunes Severo, Édison Silveira, que entre outros alteraram a feição do rádio tradicional. E no auge desta era do rádio Silveira Junior criou um programa novo. Um tradicional programa de perguntas-e-respostas. Em uma cidade como Itajaí que só sabia que, no Rio, alguém tinha um programa chamado “O Céu é um limite”, onde quem respondia certo ganhava prêmios, causou um verdadeiro furor. Chamava-se “Seis pontos valem um conto”. Em linguagem de hoje, quem passasse pelas seis etapas, ganharia mil cruzeiros. Os candidatos se inscreviam dando o número de telefone e o tema que tinha escolhido para responder. Os telefones eram raros na cidade: 367, 457, 192... todos de três dígitos. Vários concorrentes se reuniam em um único número, para esperar o sorteio do número do candidato da noite. Os temas eram vários: Cultura geral, Sagradas escrituras, Geografia, História, Ciência Naturais, Literatura, etc.

Na noite do programa, um por semana, a cidade parava. Os cinemas tinham pouco público e todos iam para a “boca do rádio”. O número do telefone era sorteado. O concorrente atendia. As perguntas, difíceis e capciosas eram feitas. Havia tempo certo para a resposta. Um “tic-tac” de fundo deixava qualquer um nervoso. Claro que alguns candidatos armavam uma equipe de consulta para auxiliá-los na hora “H”. No entanto, como os nomes eram sorteados e os temas muitos amplos, essa ajuda em dia incerto não contava muito. A cada resposta correta, um “Absolutamente certo” dito pelo Antunes “Absolutamente Severo”.

Não me lembro exatamente os anos deste programa: acho que 1959, 60, 61. Meu pai com toda a cultura que tinha e ainda tem, se inscreveu para responder no telefone do Waldemiro Carlsson, casado com a Branca, sua prima. Na noite do programa me fazia acompanha-lo até a casa deles. Nunca foi sorteado. Se fosse, acredito que ele teria feito bela figura. O pitoresco de tudo isso era o fato de que todos os que se inscreviam para responder sobre as Sagradas Escrituras eram Evangélicos. Isto comprovava a tese que a Bíblia de católico tinha cheiro de bolor; a dos Evangélicos, muito usadas, de sovaco... Amigo de meu pai, ex-seminarista, um expert em assuntos bíblicos, o seu Alcino Brandão se inscreveu para “tirar a teima”. Fui embora de Itajaí para o internato do Colégio Catarinense, antes que o programa acabasse. Não sei se o seu Alcino chegou lá.

Domingo de manhã, no auditório da Difusora que ficava em um prédio que foi demolido para dar lugar às Lojas HM, um programa de calouros. Chamava-se Clube Mirim. Dali lembro-me das performances do “Nêne”,  no piano do “Balhu” no contrabaixo e da Cleusa Kleis que cantava como ninguém.

Nos domingos à tarde eram as partidas de futebol, narradas com paixão pelos locutores locais. A “barraquinha” onde eles ficavam era o único lugar abrigado do estádio Hercílio Luz. Quando o público passou a correr para ali se abrigar diante do temporal que caíaa, ela abarrotada balançou e desabou. Do que inflamada pela paixão do jogo que transcorria, ficou para história a frase dita pelo microfone: “Eu falei que esta merda não guentava...”.


Comentários:

Deixe um comentário:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.

Leia mais

Histórias que eu conto

Anos cinquenta II

Histórias que eu conto

Histórias da Hercílio Luz

Histórias que eu conto

Tempos de Ginásio III

Histórias que eu conto

Tempos de ginásio II

Histórias que eu conto

Carnaval? O quê?

Histórias que eu conto

Tempos de ginásio

Histórias que eu conto

Escolas: velhas e novas

Histórias que eu conto

A funda

Histórias que eu conto

Anos cinquenta

Histórias que eu conto

Nos anos cinquenta...

Histórias que eu conto

Alguém ainda se lembra?

Histórias que eu conto

Trânsito sensato

Histórias que eu conto

Caçando e pescando

Histórias que eu conto

Anos de música

Histórias que eu conto

É pra facilitar ou pra complicar?

Histórias que eu conto

Coisas da moda...

Histórias que eu conto

Camboriú, de novo

Histórias que eu conto

Camboriú, ainda

Histórias que eu conto

Praia de Camboriú

Histórias que eu conto

Cabeçudas



Blogs

Blog do JC

Mudou

A bordo do esporte

Thiago Pereira e Swim Floripa levam Troféu José Finkel para Floripa

Blog da Jackie

Verão, calor, quentura e mormaço

Gente & Notícia

Warung reabre famoso pistão, destruído por incêndio, com Vintage Culture em março

Blog da Ale Francoise

Intestino preso, use todos os dias

Blog do Ton

Medicina Estética

Blog Doutor Multas

Como parcelar o IPVA de forma rápida e segura

Blog Clique Diário

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado



Entrevistão

Entrevistão Adão Paulo Ferreira

"Porto sozinho não serve para nada. Ele precisa ter navios, linhas"

Irmã Simone

"Aqui nós atendemos 93% SUS”

Eduardo Rodrigues Lima

"A Marinha já fez 27 mil abordagens a embarcações no Brasil inteiro”

Edison d’Ávila

"O DIARINHO serve como uma chamada à consciência da cidade”

TV DIARINHO

O projeto que obriga o uso de sacos e sacolas ecológicas no lugar de sacos de lixo e sacolas plásticas ...




Especiais

Caso Ilha de Marajó

Vereadora de Navegantes está entre os políticos que impulsionaram fake news sobre exploração sexual infantil

TURISMO

Japaratinga: vale a pena se hospedar no melhor resort do Brasil?

VIAGEM NO TEMPO

Museu do Carro traz nostalgia e diversão sobre o universo automotivo

NOVOS TEMPOS

SC é pioneira na promoção da mobilidade elétrica

PLANEJAMENTO URBANO

Camboriú vai investir mais de R$ 60 milhões em mobilidade



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯








MAILING LIST

Cadastre-se aqui para receber notícias do DIARINHO por e-mail

Jornal Diarinho© 2024 - Todos os direitos reservados.
Mantido por Hoje.App Marketing e Inovação