Colunas


Histórias que eu conto

Por Homero Malburg -

Homero Bruno Malburg é arquiteto e urbanista

Os natais da infância


O espírito natalino começava a se manifestar no dia de São Nicolau – 6 de dezembro. À noite, depois do jantar, uma enxurrada de balas e bombons caía pela janela. Era coisa do São Nicolau. Depois do susto, disputávamos cada doce por baixo dos móveis, pela sala toda. Em 13 de dezembro era vez de Santa Luzia, que vinha montada em um cavalo e, em troca do capim que ajeitávamos para ele comer, nos deixava mais balas.

Finalmente, o Natal. As casas eram pintadas, jardins roçados, quintais limpos, tudo à espera dele. Em casa, os cochichos do pai e da mãe, os armários trancados, o cheiro dos biscoitos natalinos enfeitados de açúcar colorido. No dia 24, as portas da sala amanheciam trancadas. Lá dentro o Papai Noel trabalhava. Uma espiada pelo buraco da fechadura era um perigo; ele soprava cinzas no olho da gente. O dia, para nós, simplesmente não passava. À noite, jantar de bacalhau na casa da avó. Depois,  “abria-se a árvore”; após a oração, a distribuição dos presentes empilhados embaixo do pinheiro. A família reunida, o ponche de frutas que sempre havia neste dia, o cheiro do peru no forno assando para o almoço do dia seguinte, e tarde, muito tarde, íamos dormir, exaustos, prontos para acordar cedo no dia seguinte para brincar mais um pouco com os presentes, ainda antes da missa.

Esta era a fórmula que usávamos em nossa família. Com muitos parentes e muitos filhos, nunca passávamos o Natal fora de Itajaí. Nos parecia ser assim a única forma de festejá-lo. Os presentes, além dos brinquedos, eram também coisas que estávamos precisando no dia-a-dia. Uma pasta nova para a escola, um calção de banho, um boné “Sete-vidas”, uma lanterna para o verão na Armação, que não tinha luz elétrica. Os presentes para mim especiais foram: a bicicleta que ganhei no Natal de 54 e o piano que ganhamos em 57. A partir de então, ensaiávamos sempre cânticos de Natal para tocar no dia 24 à noite, que um de nós acompanhava ao piano. Certa vez, meu pai resolveu construir no jardim um “pinteiro” – uma casinha para criar pintos de raça. Foi construída, pintada, e minhas irmãs, na inocência da infância, não desconfiaram que era uma casa de bonecas, presente para elas no Natal.

As compras eram feitas antecipadamente em Itajaí e algo mais especial era comprado em Blumenau. Lembro-me de ganharmos discos com a etiqueta da Casa Flesch e das compras no Willy Sieverdt.

Minha mãe, certa época, decidiu que para resgatarmos o sentido religioso da festa, deveríamos ir, durante o advento, à missa da matriz das seis e meia, toda manhã. Claro que odiávamos acordar cedo nas férias, mas, como na época não se discutia com os pais, lá íamos todos...

No dia de Natal, toda a programação da rádio era de músicas mais calmas, principalmente aquelas natalinas tocadas pelo Luís Bordon e sua harpa, que resistem até hoje.

Eu tinha amigos com Natais diferentes. Uns o passavam fora, outros ganhavam um presente só – bem caro, já na tarde da véspera. Outros, ainda, recebiam seus presentes no dia 25 de manhã. Nós, todavia, achávamos que bom mesmo era o “nosso Natal”.  Toda aquela preparação, aquela agonia, aquelas surpresas. Mantivemos este jeito, Élia e eu, com nossos filhos. Eles até hoje anseiam pelo almoço de Natal com tios e primos na casa dos avós, que neste ano, por causa da saúde de meu pai, pela primeira vez não teremos.

Mesmo hoje, com toda esta confusão que antecede o Natal de forte apelo comercial, acho tudo isso muito válido. Afinal, as pessoas adoram dar e receber presentes. E o sentido da confraternização continua, mais do que nunca, preservado.


Comentários:

Deixe um comentário:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.

Leia mais

Histórias que eu conto

Anos cinquenta II

Histórias que eu conto

Histórias da Hercílio Luz

Histórias que eu conto

Tempos de Ginásio III

Histórias que eu conto

Tempos de ginásio II

Histórias que eu conto

Carnaval? O quê?

Histórias que eu conto

Tempos de ginásio

Histórias que eu conto

Escolas: velhas e novas

Histórias que eu conto

A funda

Histórias que eu conto

Anos cinquenta

Histórias que eu conto

Nos anos cinquenta...

Histórias que eu conto

Alguém ainda se lembra?

Histórias que eu conto

Trânsito sensato

Histórias que eu conto

Caçando e pescando

Histórias que eu conto

Anos de música

Histórias que eu conto

É pra facilitar ou pra complicar?

Histórias que eu conto

Coisas da moda...

Histórias que eu conto

Camboriú, de novo

Histórias que eu conto

Camboriú, ainda

Histórias que eu conto

Praia de Camboriú

Histórias que eu conto

Cabeçudas



Blogs

Blog do JC

Mudou

A bordo do esporte

Thiago Pereira e Swim Floripa levam Troféu José Finkel para Floripa

Blog da Jackie

Verão, calor, quentura e mormaço

Gente & Notícia

Warung reabre famoso pistão, destruído por incêndio, com Vintage Culture em março

Blog da Ale Francoise

Intestino preso, use todos os dias

Blog do Ton

Medicina Estética

Blog Doutor Multas

Como parcelar o IPVA de forma rápida e segura

Blog Clique Diário

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado



Entrevistão

Entrevistão Adão Paulo Ferreira

"Porto sozinho não serve para nada. Ele precisa ter navios, linhas"

Irmã Simone

"Aqui nós atendemos 93% SUS”

Eduardo Rodrigues Lima

"A Marinha já fez 27 mil abordagens a embarcações no Brasil inteiro”

Edison d’Ávila

"O DIARINHO serve como uma chamada à consciência da cidade”

TV DIARINHO

O projeto que obriga o uso de sacos e sacolas ecológicas no lugar de sacos de lixo e sacolas plásticas ...




Especiais

Caso Ilha de Marajó

Vereadora de Navegantes está entre os políticos que impulsionaram fake news sobre exploração sexual infantil

TURISMO

Japaratinga: vale a pena se hospedar no melhor resort do Brasil?

VIAGEM NO TEMPO

Museu do Carro traz nostalgia e diversão sobre o universo automotivo

NOVOS TEMPOS

SC é pioneira na promoção da mobilidade elétrica

PLANEJAMENTO URBANO

Camboriú vai investir mais de R$ 60 milhões em mobilidade



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯








MAILING LIST

Cadastre-se aqui para receber notícias do DIARINHO por e-mail

Jornal Diarinho© 2024 - Todos os direitos reservados.
Mantido por Hoje.App Marketing e Inovação