Colunas


Histórias que eu conto

Por Homero Malburg -

Homero Bruno Malburg é arquiteto e urbanista

Questão de tamanho


Primeiro banco a chegar a Bombinhas foi o extinto BESC (foto: Internet)

Quando Bombinhas emancipou-se de Porto Belo, elegeu em 1996, sua primeira administração municipal: Prefeito e vereadores. Meu bom amigo, seu Maneca proprietário do restaurante Kioski em Canto Grande, foi eleito o primeiro prefeito. Homem de pouco estudo, mas inteligente e dono de uma integridade moral acima de qualquer suspeita, fez de sua administração um exemplo de como sair do nada e entregar no final do governo, um município organizado, com obras de vulto, escolas construídas e um Plano Diretor de Desenvolvimento que infelizmente as administrações posteriores não fizeram vingar.

Basta ver que de Porto Belo recebemos além de uma “Caravan” velha e uma moto-niveladora muito usada, um monte de projetos de edificações de legalidade duvidosa, aprovados na última hora, inclusive no dia de Natal! Começamos a trabalhar sobre uma mesa construída com uma chapa de “Madeirit” doada por um construtor, apoiada sobre cavaletes e o material – papel, lápis, canetas, etc, que cada secretário conseguia arrecadar.

Como nós temos uma casa em Canto Grande e me propus ajudá-lo, chamou-me para assessorá-lo na Secretaria de Urbanismo, que por quatro anos ocupei, com muito, muito prazer.  Avesso a compromissos e atrelamentos partidários, o prefeito Manoel Marcílio dos Santos, montou uma equipe competente e confiava plenamente nela.

Município pequeno, faltava de tudo. Dos restaurantes que fechavam fora de temporada, as coisas mais básicas. Faltava o Correio, faltava o Banco.

Com o tempo e muita batalha, foi aberta uma agência dos Correios e o BESC pela pequenez do município, não instalou uma agência: apenas um “posto de serviço”. E todo este dia-a-dia da implantação era assunto comentado pela população e pelos funcionários da Prefeitura.

Foi então que chegou o momento de promovermos o primeiro concurso público. Como não havia dinheiro para pagar tal trabalho, nós mesmos nos unimos para redigir as provas. Provas estas que eram extremamente diferenciadas – do operário braçal ao motorista, ao técnico, ao engenheiro, ao advogado.

E, a partir de então, cada um de nós deu o que tinha de melhor na preparação do concurso. Foi aí que a dona Zelândia, secretária de Educação, professora, na prova de português, fez uma questão sobre diminutivos. Pediu o diminutivo de farol, esperando não um farolzinho mas sim, um farolete de resposta; de saia, querendo um saiote e não uma saiazinha.

E eis que, de repente, no diminutivo de banco (banqueta), surgiu a grande “pérola” do concurso. Alguém, muito atualizado com problemas do novo município, não teve dúvidas – banco? Diminutivo de banco? Claro! Posto de serviço.


Comentários:

Deixe um comentário:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.

Leia mais

Histórias que eu conto

Tempos de Ginásio III

Histórias que eu conto

Tempos de ginásio II

Histórias que eu conto

Carnaval? O quê?

Histórias que eu conto

Tempos de ginásio

Histórias que eu conto

Escolas: velhas e novas

Histórias que eu conto

A funda

Histórias que eu conto

Anos cinquenta

Histórias que eu conto

Nos anos cinquenta...

Histórias que eu conto

Alguém ainda se lembra?

Histórias que eu conto

Trânsito sensato

Histórias que eu conto

Caçando e pescando

Histórias que eu conto

Anos de música

Histórias que eu conto

É pra facilitar ou pra complicar?

Histórias que eu conto

Coisas da moda...

Histórias que eu conto

Camboriú, de novo

Histórias que eu conto

Camboriú, ainda

Histórias que eu conto

Praia de Camboriú

Histórias que eu conto

Cabeçudas

Histórias que eu conto

Tempos de rádio

Histórias que eu conto

Os natais da infância



Blogs

A bordo do esporte

Com visuais deslumbrantes, novo percurso curto do L'Étape Cunha é anunciado

Blog do JC

Lula e o genocídio

Gente & Notícia

Churrasco On Fire, da dupla Fernando e Sorocaba, chega a Massaranduba

Blog da Ale Francoise

Intestino preso, use todos os dias

Blog da Jackie

O ‘sim’ de Ângela e Dolor

Blog do Ton

Medicina Estética

Blog Doutor Multas

Como parcelar o IPVA de forma rápida e segura

Blog Clique Diário

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado



Entrevistão

Irmã Simone

"Aqui nós atendemos 93% SUS”

Eduardo Rodrigues Lima

"A Marinha já fez 27 mil abordagens a embarcações no Brasil inteiro”

Edison d’Ávila

"O DIARINHO serve como uma chamada à consciência da cidade”

Hang Ferrero

“Administrar a vida é particularmente difícil. Mas amar de maneira ampla é absolutamente fácil. Amar é revolucionário. Amem com todo o esforço que puderem suportar”

TV DIARINHO

Um bandido se assustou com um morador e desistiu de roubar um condomínio na rua Brusque, no bairro Dom ...




Especiais

violência

Brasil tem um assassinato de pessoa trans a cada três dias

Programa diferente

Na Estrada: Escapada pra Curitiba num finde de verão

Presidente do STM

Acampamentos golpistas “foram tolerados por orientação” militar

Agropecuária

Bancada adota ‘discurso tóxico’ em anúncios nas redes sociais

Itajaí

Coleta seletiva tem contrato milionário não fiscalizado



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯








MAILING LIST

Cadastre-se aqui para receber notícias do DIARINHO por e-mail

Jornal Diarinho© 2024 - Todos os direitos reservados.
Mantido por Hoje.App Marketing e Inovação