Colunas


Histórias que eu conto

Por Homero Malburg -

Homero Bruno Malburg é arquiteto e urbanista

As vendas II


Carrinhos-de-mão passavam pelas ruas de Itajaí vendendo peixe fresco

Naqueles anos, cinquenta, o consumo obedecia às ofertas sazonais. Tangerina, laranja-açúcar, abacaxi, uva, só se encontravam na época de cada safra. Maçãs, todas argentinas, envoltas em papel de sede azul-escuro, só para quem estava doente. Chocolate, só na páscoa. As bolachas eram feitas em casa ou compradas em latas grandes mantidas bem fechadas e às quais as crianças não tinham acesso.

 

Bora virar assinante para ler essa e todas as notícias do portal DIARINHO? Usuários cadastrados têm direito a 10 notícias grátis.


Esqueci minha senha




Se você ainda não é cadastrado, faça seu cadastro agora!


 







 





As vendas porta-a-porta eram comuns: a carroça de banana do “seu” Marcos Sedrez; a carroça de abacaxi;  O “seu” Weiss de pele muito branca e olhos bem azuis vendia na sua carroça queijinho, nata, linguiça, carne de porco, vitela.

Carrinhos-de-mão passavam na rua vendendo peixe fresco sob uma cobertura de folhas de bananeira; outros, o aipim, o milho em espigas e um, especial na lembrança, cujo vendedor gritava: - “Piólha o fatotó!”que deciframos como: “E olha o fato e o mocotó”.

Nas feiras-livres se comprava a produção dos colonos vizinhos: Verduras, legumes, frutas, mel, queijos, morcilhas, linguiças... Realizada uma vez por semana, eu, como filho mais velho, acompanhava minha mãe para carregar as compras. Antes trazidas na bicicleta, minha vida melhorou com a chegada do “carrinho-de-feira”, metálico, de duas rodas, com prateleiras para evitar que as compras de cima amassassem as de baixo. Lembro-me de uma vez que a mãe comprou melado. Este, vinha, em garrafas fechadas com uma rolha de sabugo de milho. Quando chegamos em casa, a garrafa estava quase vazia e sem a rolha. Por todo o percurso, desenhava-se o rastro de um filete de melado.

De vez em quando “pintava” a notícia que uma venda localizava lá no fim do mundo, vendia mais barato. E lá íamos nós, de bicicleta. Lembro-me especialmente de uma, lá no final da rua Uruguai, que alcançávamos, cortando caminho por um pasto imenso atrás da Matriz, pois não existia a avenida Marcos Konder. O caminho era uma trilha de pouco mais de trinta centímetros de largura que subia e descia as ondulações do terreno. A ida era rápida, mas a volta com a bicicleta carregada de compras, era dureza.

Apareceu então o SAPS. Uma entidade, creio que governamental, vendia os produtos básicos a baixo preço. Ficava na rua Silva, nos fundos da Samarco. Levávamos uma lista de casa, dávamos o nosso nomes que era anotado no pé da lista, o que, para mim, era uma dificuldade: - “Homero!” eu dizia. – “O que? Romério? Roberto? Américo? O Mero?”- o que eu, depois de muitas vezes ter ficado roxo de vergonha, simplifiquei para – “Bruno!”. Depois da dita lista completa éramos chamados para pagar.

Muitos anos depois SAPS, já então COBAL, funcionou na esquina da rua Felipe Schmitd com a rua Samuel Heusi. Meu irmão número seis, o Léco, com a bicicleta atulhada de compras de bagageiro e penduradas no guidão, a encostou no muro do escritório da Navegação Ramos, bem em frente, onde meu pai trabalhava. Foi ao balcão, mandou-o chamar e disse, do alto dos seus noves anos: - “Vem aqui fora dar uma olhada na minha bicicleta! Eu aqui me matando e o senhor aí dentro, sentadinho, nesta moleza!”


Comentários:

Deixe um comentário:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.

Leia mais

Histórias que eu conto

Anos cinquenta II

Histórias que eu conto

Histórias da Hercílio Luz

Histórias que eu conto

Tempos de Ginásio III

Histórias que eu conto

Tempos de ginásio II

Histórias que eu conto

Carnaval? O quê?

Histórias que eu conto

Tempos de ginásio

Histórias que eu conto

Escolas: velhas e novas

Histórias que eu conto

A funda

Histórias que eu conto

Anos cinquenta

Histórias que eu conto

Nos anos cinquenta...

Histórias que eu conto

Alguém ainda se lembra?

Histórias que eu conto

Trânsito sensato

Histórias que eu conto

Caçando e pescando

Histórias que eu conto

Anos de música

Histórias que eu conto

É pra facilitar ou pra complicar?

Histórias que eu conto

Coisas da moda...

Histórias que eu conto

Camboriú, de novo

Histórias que eu conto

Camboriú, ainda

Histórias que eu conto

Praia de Camboriú

Histórias que eu conto

Cabeçudas



Blogs

Blog do JC

Mudou

A bordo do esporte

Thiago Pereira e Swim Floripa levam Troféu José Finkel para Floripa

Blog da Jackie

Verão, calor, quentura e mormaço

Gente & Notícia

Warung reabre famoso pistão, destruído por incêndio, com Vintage Culture em março

Blog da Ale Francoise

Intestino preso, use todos os dias

Blog do Ton

Medicina Estética

Blog Doutor Multas

Como parcelar o IPVA de forma rápida e segura

Blog Clique Diário

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado



Entrevistão

Entrevistão Adão Paulo Ferreira

"Porto sozinho não serve para nada. Ele precisa ter navios, linhas"

Irmã Simone

"Aqui nós atendemos 93% SUS”

Eduardo Rodrigues Lima

"A Marinha já fez 27 mil abordagens a embarcações no Brasil inteiro”

Edison d’Ávila

"O DIARINHO serve como uma chamada à consciência da cidade”

TV DIARINHO

O projeto que obriga o uso de sacos e sacolas ecológicas no lugar de sacos de lixo e sacolas plásticas ...




Especiais

Caso Ilha de Marajó

Vereadora de Navegantes está entre os políticos que impulsionaram fake news sobre exploração sexual infantil

TURISMO

Japaratinga: vale a pena se hospedar no melhor resort do Brasil?

VIAGEM NO TEMPO

Museu do Carro traz nostalgia e diversão sobre o universo automotivo

NOVOS TEMPOS

SC é pioneira na promoção da mobilidade elétrica

PLANEJAMENTO URBANO

Camboriú vai investir mais de R$ 60 milhões em mobilidade



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯








MAILING LIST

Cadastre-se aqui para receber notícias do DIARINHO por e-mail

Jornal Diarinho© 2024 - Todos os direitos reservados.
Mantido por Hoje.App Marketing e Inovação