Colunas


Histórias que eu conto

Por Homero Malburg -

Homero Bruno Malburg é arquiteto e urbanista

As “vendas”


Hoje vamos ao supermercado para comprar de tudo: alimentação, bebidas, produtos de limpeza, revistas, remédios, roupas e até eletrodomésticos. Nos anos 1950, no entanto, carne se comprava no açougue: galinha se comprava viva e se abatia em casa. Leite, o leiteiro deixava na porta. Frutas e verduras se encontravam na feira-livre, no pátio atrás dos Correios. Peixes, na banca do Mercado Público. Pão, na padaria ou o padeiro trazia na  carrocinha na casa de cada um. Bebidas, só no bar ou no depósito.

Todo o resto, comprava-se nas “vendas”. Entituladas armazéns ou mercearias, algumas sobrevivem até hoje. Vendiam o que se chamava na época de “secos e molhados”, na sua maior parte, produtos que não necessitavam de refrigeração.

Na rua Hercílio Luz, lembro-me da Maria Lúcia Wollinger; do Sr. Mussolini Cechinel e do Sr. Arnoldo Cabral, todos com estabelecimentos localizados na quadra entre o largo da Matriz Nova e a av. Sete de Setembro. Lá na praça Vidal Ramos ficava o da Dona Bráulia Pessoa.

No meio do percurso, o “seu Janja”, com sua pequena mercearia, por isto mesmo bem organizada e pomposamente chamada de “Empório João Fábio”. Minha mãe contou-me que ele, dado a inovações, mandava um rapaz à casa de seus clientes para saber o que estavam precisando naquele dia. Anotava tudo e depois ia de casa em casa entregando as compras.

Quando eu era muito pequeno, lembro-me de meu pai me levar ao armazém do seu Elisiário Pereira, quando lá ia papear com seu grande amigo, João Pereira. E o Adalberto Cesário Pereira falou-me há dias, de um grande “negócio” de seu pai, “seu” Zequinha, com seis portas para a rua, mais ou menos em frente à prefeitura, hoje o Museu Histórico, mas do qual não tenho lembrança.

Nós lá de casa, por uma questão de proximidade, comprávamos muito no “seu Cabral”.  Onde hoje são as Lojas Koerich, o armazém tinha frente para a Hercílio Luz e fundos para a rua Guarani, atualmente, rua Dr. José Bonifácio Malburg. Por aí entravam as mercadorias na grande área de armazenagem e nós também, que por ali cortávamos caminho, até a frente do balcão na Hercílio Luz. Era uma venda com piso de ladrilhos amarelos e, no balcão, grandes balanças para pesar o cereal, a farinha, o açúcar, tudo vendido a granel em sacos de papel pardo com as bordas caprichosamente dobradas e fechadas.

Havia a seção de ferragens com ferramentas, facas, facões, machados. Outra com as louças de “pó-de-pedra” e as melhores, de porcelana. Panelas e frigideiras de ferro e alumínio e até as primeiras travessas de aço inox que apareceram no mercado; espessas, pesadas, minha mãe as tem até hoje. Material de limpeza, querosene, corda, pregos e até fogos de artifício.

Na lateral, uma vitrine fechada era a fascinação para nós guris: várias espingardas – das melhores, de cartucho, até as simples “pica-pau” de carregar pela boca. As linguiças e os salames pendurados; as grandes latas de manteiga e da banha de onde se tirava  a quantidade certa com colheres de pau e se pesava embrulhadas de papel impermeável. A barrica das azeitonas servidas com uma colher de chifre.

As compras eram anotadas em uma caderneta e, no fim do mês, somadas para o acerto de contas. Ainda hoje algumas mercearias utilizam o sistema. Sei de um político de município vizinho, dono de venda, que dizia aos clientes: - “Se eu ganhar, arranco três folhas de cada caderneta”. Foi eleito.

Meu avô contou-me que um freguês do Sr. Elisiário reclamou de um queijo marcado em sua caderneta e que ele não havia comprado. Como evidentemente havia sido um engano, o proprietário mandou marcar o dito queijo em todas as cadernetas. Sábia solução:  só não reclamou quem realmente o havia levado.


Comentários:

DENISE VIEIRA

16/07/2023 17:13

Que maravilha, Homero! Uma deliciosa viagem no tempo. Adoro suas lembranças. Abraços!

Deixe um comentário:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.

Leia mais

Histórias que eu conto

Anos cinquenta II

Histórias que eu conto

Histórias da Hercílio Luz

Histórias que eu conto

Tempos de Ginásio III

Histórias que eu conto

Tempos de ginásio II

Histórias que eu conto

Carnaval? O quê?

Histórias que eu conto

Tempos de ginásio

Histórias que eu conto

Escolas: velhas e novas

Histórias que eu conto

A funda

Histórias que eu conto

Anos cinquenta

Histórias que eu conto

Nos anos cinquenta...

Histórias que eu conto

Alguém ainda se lembra?

Histórias que eu conto

Trânsito sensato

Histórias que eu conto

Caçando e pescando

Histórias que eu conto

Anos de música

Histórias que eu conto

É pra facilitar ou pra complicar?

Histórias que eu conto

Coisas da moda...

Histórias que eu conto

Camboriú, de novo

Histórias que eu conto

Camboriú, ainda

Histórias que eu conto

Praia de Camboriú

Histórias que eu conto

Cabeçudas



Blogs

Blog do JC

Mudou

A bordo do esporte

Thiago Pereira e Swim Floripa levam Troféu José Finkel para Floripa

Blog da Jackie

Verão, calor, quentura e mormaço

Gente & Notícia

Warung reabre famoso pistão, destruído por incêndio, com Vintage Culture em março

Blog da Ale Francoise

Intestino preso, use todos os dias

Blog do Ton

Medicina Estética

Blog Doutor Multas

Como parcelar o IPVA de forma rápida e segura

Blog Clique Diário

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado



Entrevistão

Entrevistão Adão Paulo Ferreira

"Porto sozinho não serve para nada. Ele precisa ter navios, linhas"

Irmã Simone

"Aqui nós atendemos 93% SUS”

Eduardo Rodrigues Lima

"A Marinha já fez 27 mil abordagens a embarcações no Brasil inteiro”

Edison d’Ávila

"O DIARINHO serve como uma chamada à consciência da cidade”

TV DIARINHO

O projeto que obriga o uso de sacos e sacolas ecológicas no lugar de sacos de lixo e sacolas plásticas ...




Especiais

Caso Ilha de Marajó

Vereadora de Navegantes está entre os políticos que impulsionaram fake news sobre exploração sexual infantil

TURISMO

Japaratinga: vale a pena se hospedar no melhor resort do Brasil?

VIAGEM NO TEMPO

Museu do Carro traz nostalgia e diversão sobre o universo automotivo

NOVOS TEMPOS

SC é pioneira na promoção da mobilidade elétrica

PLANEJAMENTO URBANO

Camboriú vai investir mais de R$ 60 milhões em mobilidade



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯








MAILING LIST

Cadastre-se aqui para receber notícias do DIARINHO por e-mail

Jornal Diarinho© 2024 - Todos os direitos reservados.
Mantido por Hoje.App Marketing e Inovação