Colunas


Histórias que eu conto

Por Homero Malburg -

Homero Bruno Malburg é arquiteto e urbanista

Tempo de festas II


Em 14 de outubro de 1956, minha bisavó, Elisabeth Malburg que todos nós chamávamos carinhosamente de “Omama”, fez oitenta anos. Minha mãe foi logo nos avisando que aquele ano, a festa seria diferente. Pela data especial seria comemorada com um almoço no Guarani. Nós, menores, ficamos decepcionados. A começar pelo espaço confinado que o salão nos dava. Não houve nem a tradicional canja de galinha e sim um tal de “creme-de-aspargos”que nós não achamos lá estas coisas. Explica-se nossa “frustação. Todos os anos, o aniversário da Omama era um acontecimento. Iniciava com o tradicional café da tarde, estendia-se com o jantar e terminava tarde da noite, com todos nós exaustos. Reunia-se na casa da praça Vidal Ramos, onde hoje está o Banco Real (atual obra da Lotisa), toda a família. Avós, tios-avós, primos. Afinal, a Omama tivera doze filhos, sete homens e cinco mulheres o que dá ideia do tamanho da festa. Podíamos brincar pela casa, explorar o porão e correr à vontade pela praça. Ela faleceu uma semana antes de seus noventa anos e até pouco antes, nos proporcionou aquelas festas memoráveis.

 

Já possui cadastro? Faça seu login aqui.

OU

Quer continuar lendo essa e outras notícias na faixa?
Faça seu cadastro agora mesmo e tenha acesso a
10 notícias gratuitas por mês.

Cadastre-se aqui



Bora ler todas as notícias e ainda compartilhar
as melhores matérias com sua família e amigos?

Assine agora mesmo!


Por esta época, pouco se falava em festas em clubes. A grande maioria realizava-se em casa. Nos casamentos, quando era grande o número de convidados, montavam-se barracas de lona nos quintais, mesas enormes sobre cavaletes e bancos corridos. Todo sentavam e a comida era servida. Ao acabarem levantava-se para dar lugar a turma seguinte e a mesa era novamente servida até todos comerem. A decoração era bem simples. Palmiteiras e arcos de bambus, colaboravam para o ar festivo. A família trabalhava duro preparando a festa. Matavam-se as galinhas, os perus e os porcos, preparavam-se os recheios das aves, ensopavam-se muitas línguas, assavam-se carnes no forno e temperavam-se os filés duplos que iam para grelha na hora do jantar. Maionese, arroz, batata, farofa, empadões, saladas e de sobremesa, deliciosos pudins e gelatinas. Muita gasosa, muita cerveja e vinho.

Lembro-me dos casamentos de primas, na casas do tio Antonio e do tio Victor Dutra, e na casa do rio Corbetta. Nestes casamentos, alguns tiveram a cerimônia religiosa realizada em casa. Isto porque os noivos não eram católicos e o padre não permitiu que se realizassem na igreja.

Não me lembro de ter isso muitos outros casamentos. Decerto não se convidavam crianças na maioria deles. Todavia os poucos que fui ficaram marcados na memória.

Tivemos um casamento na nossa casa. Tia Bernadete que morava conosco, casou com Hilário Fuck e inovaram o esquema tradicional: um coquetel às dez da manha. Eu, em 1954 com oito anos, não vi a menor graça nisso. Felizmente a família foi ficando e a festa acabou só a noite.

Nestas ocasiões, nossos pais ficavam de olho em “nossos modos” mas na adoscelência, nosso apetite era insaciável. Comíamos de tudo e parecia não “termos fundo”. Uma das história de que me lembro, foi a de uma festa de casamento na casa da família Freitas. Convidados, João Carlos de Figueiredo, Salomão Figlarz e Paulo Vaz, amigos inseparáveis de treze, catorze anos, instalaram-se na cabeceira de uma mesa exatamente onde, chegava a comida. Depois da festa diziam com orgulho que lá permaneceram comendo ininterruptamente por três “mesadas”!


Comentários:

Deixe um comentário:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.



Bons negócios

Unimed Litoral está contratando terapeutas ocupacionais e fonoaudiólogos

Mercado de eletrificados cresce ainda mais no Brasil

VivaPark vai sediar competição de ciclismo; inscrições estão abertas


Veículos

Motos

Cg 160 Titan

R$ 22.500,00

Motos

Shadow 750

R$ 42.000,00

Motos

Biz 110i

R$ 14.600,00

Motos

Biz 125

R$ 19.600,00


Imóveis

Sítio, Chácara ou Fazenda

Vende-se Linda Chácara Na Paciência

R$ 1.500.000,00

Kitnet

Kitnetes Completas P/ Solteiros

Quartos

Quarto Para Alugar

Apartamento

Vendo Apartamento Em Bc

Casa

Vendo / Troco (sobrado)

R$ 300.000,00

Apartamento

Vendo / Alugo Apartamento


Empregos

Ofereço-me para trabalhar

Pedreiro, Encanador E Eletricista

Ofereço-me para trabalhar

Casal Para Cuidar De Chácaras E Sítios

Tenho vaga para

Fetrammasc Contrata

Tenho vaga para

Santlux Constrata

Ofereço-me para trabalhar

Pedreiro Com Boas Referências

Ofereço-me para trabalhar

Diarista / Faxina

Ofereço-me para trabalhar

Diarista / Pós-obra

Tenho vaga para

Pezzini Paes Contrata


De tudo

Comércio, escritório e indústria

Grampear Comércio E Assistência

Esporte e saúde

Massoterapia / Quiropatia






Entrevistão

LEONEL PAVAN

“Este muro imaginário de [BC] rica e [Camboriú] pobre que tem que acabar”

Edson Piriquito

"No momento que eu implanto o pronto-socorro dentro de uma das alas do Ruth, eu resolvo atender o ser humano e não comprovante de residência e título de eleitor”

Marisa Zanoni Fernandes

"Balneário Camboriú não precisa de capitão, fantoches, seres iluminados, ungidos. Precisa de pessoas comprometidas com a democracia”

Vilfredo e Heloísa Schurmann

"Nós reciclamos só 6% no Brasil. Na Europa já é 50%. A própria China já está com 35% de reciclagem” (Vilfredo)

ENQUETE

Qual o seu favorito se as eleições municipais de Penha fossem hoje?

Evandro dos Navegantes (PSD)

Gilberto Rodrigues (PP)

Janete Krueger (PSB)

Júnior Mafra (MDB)

Juraci Alexandrino (MDB)

Luizinho Américo (PL)



TV DIARINHO


Os motociclistas Jessica Aline, de 37 anos, e Rafael Augusto, de 33, são as vítimas fatais do acidente ...





Especiais

RIO GRANDE DO SUL

“Faltou escala para mostrar as chuvas no mapa”, diz chefe do Inmet em Porto Alegre

ONG DENUNCIA

JBS e FriGol teriam comprado gado ilegal criado na terra indígena Apyterewa

NA ESTRADA

Passeio verde, arte e vida urbana: mergulho em São Paulo

TRAGÉDIA

No Rio Grande do Sul, indígenas temem deixar suas casas pela inundação e perder território

Sem apoio federal

Escolas cívico-militares avançam nos estados



Colunistas

JotaCê

Vergonheira sem fim

Coluna Esplanada

Vai ter petróleo

Diário do Investidor

O dinheiro te serve ou você serve o dinheiro?

Via Streaming

Poder, obsessão e assassinato

Ideal Mente

Você tem fome de quê?

Direito na mão

Como o tempo de trabalho rural pode beneficiar sua aposentadoria

Show de Bola

O busão voltou

Na Rede

Explosão na oficina de motos, catarinense no leilão do Neymar e mais: o que bombou nas redes do DIARINHO

Coluna do Ton

Niver da Candice

Mundo Corporativo

Cansado das mesmas coisas na empresa, é hora de mudar?

Histórias que eu conto

Colégio Catarinense 4

Coluna Exitus na Política

O CHARME DA POLÍTICA: IGUALDADE E LIBERDADE [1]

Jackie Rosa

Felizes para sempre

Coluna Fato&Comentário

Associativismo comunitário em Itajaí: o começo

Artigos

O combate ao abuso e à exploração de crianças e adolescentes é um compromisso coletivo

Gente & Notícia

Níver da Margot




Blogs

A bordo do esporte

Paulista de Star 2024 será neste fim de semana no YCSA

Blog da Jackie

A + bela catarinense

Blog do JC

David, faz B.O contra Juliana Pavan

Blog da Ale Francoise

A pílula da felicidade

Blog do Ton

Amitti Móveis inaugura loja em Balneário Camboriú

Gente & Notícia

Warung reabre famoso pistão, destruído por incêndio, com Vintage Culture em março

Blog Doutor Multas

Como parcelar o IPVA de forma rápida e segura

Blog Clique Diário

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯








MAILING LIST

Cadastre-se aqui para receber notícias do DIARINHO por e-mail

Jornal Diarinho© 2024 - Todos os direitos reservados.
Mantido por Hoje.App Marketing e Inovação