Colunas


Vinicius Lummertz

Por Vinicius Lummertz - vinicius.lummertz117@gmail.com

Economia do visitante: o fato busca definição


* Ex-ministro e secretário de Turismo e Viagens do Estado de São Paulo

 

Bora virar assinante para ler essa e todas as notícias do portal DIARINHO? Usuários cadastrados têm direito a 10 notícias grátis.


Esqueci minha senha




Se você ainda não é cadastrado, faça seu cadastro agora!


 







 





Do alto do Corcovado, o nonagenário Cristo Redentor é um símbolo do Brasil. Não há que não o associe a imagem ao país. Essa cristalização é favorável ao turismo nacional, em particular ao Rio de Janeiro. Poucos lugares têm algo tão límpido. A ele, naturalmente, somam-se outros: a Amazônia, imensa e muitas; Foz do Iguaçu que rivaliza com o Redentor como símbolo internacional; as praias do Nordeste; o skyline da Av. Paulista; o bucolismo do Pantanal; o perfil arquitetônico de Brasília. Entre os intangíveis, o samba, os saberes culinários e até a amabilidade dos brasileiros.

Em Santa Catarina também temos bons exemplos: a Ponte Hercílio Luz, nosso eterno cartão postal, unindo ilha e continente; a Pedra Furada em Urubici e a imponente Serra do Rio do Rastro; o Farol de Santa Marta e os botos pescadores de Laguna; enfim, uma riqueza enorme – sem contar nossas festas “étnicas”, que têm o ponto alto na Oktoberfest de Blumenau, e que nasceram das tradições que trouxemos dos nossos antepassados, como eles faziam e ainda fazem na Europa.

Mas, voltando à dimensão nacional, tudo junto e misturado, temos acima, no primeiro parágrafo, dez entre 10 possíveis descrições dos ativos turísticos brasileiros. Façamos uma reflexão: o que foi “criado” visando o desenvolvimento turístico nacional ou local? Donga, ao gravar o primeiro samba, não estava pensando que aquela seria a trilha sonora do Brasil no mundo; quando sonhou com o Cristo em 1859, Pierre-Marie Boss não considerou o “place branding”, ou a “marca do lugar”, numa tradução literal. Talvez a única exceção, do ponto de vista da iconografia, seja a arquitetura de Oscar Niemeyer na Capital Federal.

Esse conjunto, contudo, faz com que seis milhões de estrangeiros visitem o Brasil; quase dois milhões vão ao Cristo; 44 milhões de viagens internas pelo Estado de SP. Podemos acrescentar: os seis milhões de turistas em Gramado, de 37 mil moradores; 60 milhões que vão para Nova York – resultados que alteram o ritmo das cidades e cidadãos.

Olhar o consumo de um destino como resultados do que se convencionou chamar de “Turismo” empobrece o debate e dificulta a tomada de decisões que ajudarão no desenvolvimento da chamada “economia do visitante”.

Pelo conceito, ainda não definitivo, são desconsiderados os esforços que cidades, estados e países – e seus moradores – fazem para a criação de um lugar melhor para todos, independente se locais ou visitantes.

Ao fechar o foco das análises econômicas e sociais no “turista”, temos resultados que mostram parte da história. Exemplificando: dois milhões de turistas visitaram o Cristo, com impacto econômico de R$ 1,4 bilhão. É um dado, mensurável, que mostra a importância do cartão postal. Mas é somente isso? E os investimentos feitos, independente do acesso por van ou no trenzinho? Existiriam, hoje, sem o afluxo de turistas? E o consumo em cascata e democrático desses visitantes, que escapa das análises e vai da construção civil ao agro e aos serviços diversos que são gerados? Não se trata apenas de olhar a conta satélite ou atividades induzidas.

A “economia do visitante” procura ampliar o olhar: sai o foco no turista e entra em tudo o que é feito ou motivado, total ou parcialmente, a partir daquela expectativa de consumo. Nova York e outros destinos ainda sofrem com o consumo autóctone e a ausência dos turistas.

Os serviços que atendem diretamente quem vem de fora – transportes, hotéis, agências de receptivo – são usados como parâmetro quando se pensa na dimensão economia e social das “viagens e turismo”. Não está errado, mas não é só isso. É importante tirar o foco do turista e colocar em tudo o que é feito para recebê-lo, com exclusividade ou de forma compartilhada – isso é a “economia do visitante”.

Um novo conceito que precisa ser aprofundado, para que se possa compreender em toda a sua dimensão aquilo que hoje chamamos de Turismo – e ultrapassar esse limite, inclusive para muito além dos 58 setores (já se fala em mais de 100) que hoje são impactados por ele.


Comentários:

Deixe um comentário:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.

TV DIARINHO

Confira os destaques desta sexta-feira



Podcast

Inflação e alta na taxa de juros

Publicado 06/08/2022 14:47


Especiais

Saúde

Salsicha, hambúrguer e nugget: pesquisa identifica agrotóxicos em alimentos

famoso

Garçom há 30 anos, Claudinho ama BC

Diversidade religiosa

Mestre Marne quebrou tabus para defender a fé nos orixás

conexão

Networker aproxima Balneário Camboriú das celebridades

Sem medo do trabalho

Dona Terezinha toca uma confecção aos 84 anos



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯








Jornal Diarinho© 2022 - Todos os direitos reservados.
Mantido por Hoje.App Marketing e Inovação