Colunas


Coluna esquinas

Por Coluna esquinas -

Pantufas para pisar na lua


Todas as memórias, que guardo em meus recantos íntimos, estão cheias de cheiros, sabores, cores e um tanto de sorrisos. O sorriso, em mim, nunca foi largo e fácil. Sempre veio acompanhado de promessas, perdas e solidões. Minha infância teve um peso grande nessa trajetória de sorrisos raros.

 

Bora virar assinante para ler essa e todas as notícias do portal DIARINHO? Usuários cadastrados têm direito a 10 notícias grátis.


Esqueci minha senha




Se você ainda não é cadastrado, faça seu cadastro agora!


 







 





Cresci ouvindo de minha mãe que não me veria crescer. Que era velha para criar um filho. Que minhas irmãs me dariam o que comer e educação. Pois é! O universo se encarregou de dar uma lição e foi dando corda até que a velha charrua completasse 96 anos. Enrrugadinha e pequenina, a velha Geni deixou que algumas coisas acontecessem antes de encerrar o ciclo por aqui. Esperou, pacientemente, que suas palavras repetidas, incansavelmente, virassem realidade.

Uma mulher de poucas – e sábias – palavras não poderia partir sem, antes, ter a certeza de que as suas palavras criaram filhos, netos, bisnetos e alguns mundos. Eu, inseguro e inquieto, demorei a compreender que palavra de mãe é benção.

Depois de menino grande, já estudando fora e levando a vida com um filho pequeno para criar, fui ouvindo que “precisava mesmo era de uma mulher para me cuidar”, considerando aqui que, para uma mulher nascida no começo do século XX, isso significava lavar, passar, cozinhar e atender às necessidades de um homem. Eu revirava os olhos e torcia a boca ouvindo esse conselho, acompanhado de um ‘ tu vai ver, é assim!”. Não foi bemmm assim, mas tenho uma grandiosa companheira, que está junto em tudo que a vida pede. Lavamos, passamos, cozinhamos e atendemos às necessidades um do outro. Isso, para mim, é cuidar. Dona Geni tinha, lá, suas razões.

Essa sábia mulher, nascida e criada na mesma rua, na mesma casa, também dizia que eu tinha que achar um canto meu para assentar a vida. Repetia, a cada encontro, que “pedra que muito rola não cria limo”. Aqui estamos mudando para um canto nosso, com pátio, árvores, ribeirão e uma terrinha para criar raízes do alimento e dos sonhos. Dona Geni, uma vidente sábia.

Ouvi as últimas palavras da sábia Geni quando liguei para ela, como costumeiramente fazia nos domingos. Disse o que repetia sempre: “Venha me ver, eu não saio mais”. Não fui. Não deu tempo. A pandemia dificultou movimentos e contato. Poderíamos colocar em risco todos.

No último aniversário dela, resolvemos dar um presente. Eu achei a loja em Alegrete/RS, Gika ligou e encomendou uma pantufa e meias coloridas. Entregaram no dia em que completou 96 anos. No dia seguinte, o gelado vento minuano assobiava lá fora e ela calçava pantufas quentinhas.

Soube, alguns dias depois da partida dela, que foi sepultada com as pantufas nos pés. Voou com os pés cobertos por esse calçado que usamos em nosso aconchego de casa. Voltou com os pés quentes. Suas palavras ficam ressoando para que a vida daqui seja tranquila.

Um pé gordinho e quente pisou na lua. Olhe para cima e contemple o brilho agora maior.

Uma palavra materna sempre dá colo aos nossos sonhos. A lua é testemunha.

Ela partiu com um sorriso tímido e pantufas nos pés.


Comentários:

Deixe um comentário:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.

Leia mais

Coluna esquinas

Grasna, pato, grasna

Coluna esquinas

Quinquilharias

Coluna esquinas

Touch, mentiras e uma hashtag

Coluna esquinas

Os 10 dias em que ouvimos a palavra GRITO

Coluna esquinas

Ferida aberta

Coluna esquinas

Proa da palavra

Coluna esquinas

Breve história de um muro

Coluna esquinas

A mão invisível da realidade

Coluna esquinas

O segredo dos dias

Coluna esquinas

Exercício de ser criança

Coluna esquinas

O instante antes do escuro

Coluna esquinas

Dentro da noite

Coluna esquinas

Bolhas

Coluna esquinas

Imagino, logo existo

Coluna esquinas

Hoje é quase horizonte

Coluna esquinas

Língua Solta

Coluna esquinas

Curto-circuito

Coluna esquinas

Posso dar um pitaco?

Coluna esquinas

Tirando poeira das ideias

Coluna esquinas

Qual é a sua felicidade?



Blogs

A bordo do esporte

Vela estreia nos Jogos Sul-Americanos no domingo (2)

Blog do JC

Eleições

Blog do Ton

Zezé Di Camargo & Luciano aterrissam em outubro no Expocentro BC

Blog Doutor Multas

5 golpes comuns que você deve ficar atento ao comprar um carro

Blog da Jackie

Spring Party

Blog da Ale Francoise

Tá com tosse aí?

Blog Clique Diário

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado



Entrevistão

Jorge Boeira

“A saúde de Santa Catarina está esperando vaga na UTI”

Esperidião Amin

"Eu não quero colocar o Bolsonaro dentro da minha gaiola - que é o que alguns querem, ser o dono do Bolsonaro. Já foram até repreendidos por isso”

Décio Nery de Lima

"Vou retomar os investimentos que o Bolsonaro negou para Santa Catarina”

Jorginho Mello

"O candidato do presidente Bolsonaro é o Jorginho Mello”

TV DIARINHO

Oba! Faltam só 6 dias pra maior festa do pescado do Brasil! Vem aí a Marejada! #marejada #itajai #santacatarina ...



Podcast

Minuto DIARINHO - 30/09/2022

Publicado 30/09/2022 15:40


Especiais

Fique ligado

Confira as orientações, regras e serviços para o dia da eleição

ENTREVISTA

“Já atingimos ponto de não retorno” em algumas regiões da Amazônia, diz pesquisadora

ELEIÇÕES 2022

Partidos em Santa Catarina receberam quase R$ 194 milhões

ELEIÇÕES 2022

Confira quanto cada candidato da região recebeu do fundão eleitoral

Pesquisa DIARINHO

Preço da carne pode variar até 145%



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯








Jornal Diarinho© 2022 - Todos os direitos reservados.
Mantido por Hoje.App Marketing e Inovação