Colunas


Coluna do Frei Betto

Por Coluna do Frei Betto -

Todos às ruas


Não nos resta outra saída senão deixar de ser prisioneiros virtuais, romper a bolha e dar as mãos a todos que estão dispostos a avançar sobre ruas.

 

Bora virar assinante para ler essa e todas as notícias do portal DIARINHO? Usuários cadastrados têm direito a 10 notícias grátis.


Esqueci minha senha




Se você ainda não é cadastrado, faça seu cadastro agora!


 







 





Como explicar a inércia de um povo vilipendiado a cada dia em seus direitos? Onde e quando nos roubaram a voz e a vez? Por que a nossa indignação não se traduz em protesto coletivo?

Há uma profunda ferida na triste alma do Brasil. Perdemos o senso de humor (alguém conhece uma piada nova?), e ainda que uma sátira ouse romper as trevas, ela é recebida com coquetéis Molotov e o silêncio cúmplice das autoridades.

Por que esse grito parado no ar? Parece que tudo está em suspenso: a democracia, os direitos humanos, a liberdade. Eis o teatro macabro no qual cotidianamente se desenrola a tragédia cujos atores e atrizes riem de si mesmos, enquanto a plateia, atônita, não sabe como estancar o sangue das vítimas de tantos sacrifícios ou repartir o pão para aplacar o sofrimento dos famintos.

As ruas de meu país se tornaram intransitáveis. Os carros se assemelham a feras ensandecidas, convencidas de que a estridência de suas buzinas tem o poder de abrir caminho a ferro e fogo. Nas calçadas, reduzidas a sarjetas, corpos maltrapilhos, famintos, abatidos por álcool e drogas, retratam a ontológica injustiça do sistema que nos engloba.

Ocorre que a maioria, encurvada pela desesperança, enxerga árvores sem perceber a floresta. A ideia de sistema soa demasiadamente abstrata. É dor sem causa, borboleta sem lagarta, luz sem sol. E o que ressoa aos ouvidos é a narrativa do poder, à qual se agarra como o ébrio à sua garrafa.  O espectro do desemprego pobretariza multidões que aceitam menores salários e menos direitos, e neutraliza os que se uberizam ou mendigam uma ocupação.

Os que percebem que os primeiros ratos mortos são prenúncios de peste permanecem exilados em suas bolhas solipsistas, onde privatizam a indignação e o protesto. Adianta? Duvido, porque adulteraram a linguagem e baniram a verdade de seu lar, filha das núpcias indeléveis entre a inteligência e o real. Agora ela vaga pelos buracos negros da insensatez, enquanto muitos tentam se proteger enclausurados no dialeto de sua tribo virtual, sem que a tribo vizinha consiga decifrar ferocidades semânticas. Na cidade de surdos, uivam nas janelas sem que ninguém dê importância. Você fala em flores, eles entendem feras; fala em amar, eles entendem armar; fala em cultura, eles entendem censura.

Não nos resta outra saída senão deixar de ser prisioneiros virtuais, romper a bolha e dar as mãos a todos que estão dispostos a avançar sobre ruas para repletar avenidas. E não basta clamar “Ele não”. Aos protestos devem se sobrepor propostas. Eis o único modo de evitar que os fantasmas do medo se reencarnem na figura anômala do terror.

Navegar é preciso! Mas na direção contrária à de Ulisses. E deixar que a tripulação fique de ouvidos e olhos abertos para descobrir que as sereias não passam de monstros necrófilos, cujos urros pretendem nos ensurdecer e cegar para não descobrirmos que a rota traçada por eles nos conduzem às profundezas do Hades.

Na segunda metade da década de 1970, assentei-me em uma favela capixaba. Fui ao norte do estado visitar o que restava da antiga Vila de Itaúnas. Nos 20 anos anteriores a ação predatória da cobiça antiambientalista havia destruído a vegetação que detinha o avanço da areia da praia sobre a vila. Todas as manhãs, as mulheres varriam a areia acumulada no vão das portas, soprada pela força do vento. No dia seguinte, mais areia e o trabalho insano de tentar contê-la. Até que as dunas cobriram por completo a vila. Restou apenas o cume da torre da igreja.

Como ingênuos habitantes de Itaúnas, temos varrido a soleira da porta sem ainda nos convencer de que somente ações mais determinantes serão capazes de conter o dilúvio.  Vamos às ruas!

Frei Betto é escritor, autor de “Reinventar a vida” (Vozes), entre outros livros. Livraria virtual: freibetto.org - Frei Betto é autor de 69 livros, editados no Brasil e no exterior. Você poderá adquiri-los com desconto na Livraria Virtual – www.freibetto.org  Ali os encontrará  a preços mais baratos e os receberá em casa pelo correio.


Comentários:

Paulo César de C. Cury

23/06/2021 07:40

Leio Frei Betto a muitos anos, e gosto muito do que ele escreve. Mas acho um erro ele incentivar a ida da população para as ruas, haverá aglomeração e o Corona acabará se espalhando. O momento não é de aglomerações, pois a pandemia está matando !!

Deixe um comentário:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.

Leia mais

Coluna do Frei Betto

Feliz Ano Novo

Coluna do Frei Betto

Frei Cláudio Von Balen

Coluna do Frei Betto

Império do medo

Coluna do Frei Betto

Adeus às cartas

Coluna do Frei Betto

Rituais para a felicidade

Coluna do Frei Betto

Feijão, fuzil e Araçatuba

Coluna do Frei Betto

Roberto Romano (1946-2021)

Coluna do Frei Betto

Democracia cultural

Coluna do Frei Betto

Cadê a cultura política?

Coluna do Frei Betto

O banqueiro e o sem-terra

Coluna do Frei Betto

Tem futuro esse futuro?

Coluna do Frei Betto

Resta-me humanidade?

Coluna do Frei Betto

Sansão merece figurar na Bíblia!

Coluna do Frei Betto

Pandemia da fome

Coluna do Frei Betto

Demônios fogem do inferno

Coluna do Frei Betto

Pátrias armadas

Coluna do Frei Betto

A reeleição de Bolsonaro

Coluna do Frei Betto

Meu lado mulher

Coluna do Frei Betto

Quem manda no Brasil

Coluna do Frei Betto

Guardar silêncio



Blogs

A bordo do esporte

Volta da Ilha das Cabras abre temporada de regatas em São Paulo

Blog do JC

Lula e o genocídio

Gente & Notícia

Churrasco On Fire, da dupla Fernando e Sorocaba, chega a Massaranduba

Blog da Ale Francoise

Intestino preso, use todos os dias

Blog da Jackie

O ‘sim’ de Ângela e Dolor

Blog do Ton

Medicina Estética

Blog Doutor Multas

Como parcelar o IPVA de forma rápida e segura

Blog Clique Diário

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado



Entrevistão

Entrevistão Adão Paulo Ferreira

"Porto sozinho não serve para nada. Ele precisa ter navios, linhas"

Irmã Simone

"Aqui nós atendemos 93% SUS”

Eduardo Rodrigues Lima

"A Marinha já fez 27 mil abordagens a embarcações no Brasil inteiro”

Edison d’Ávila

"O DIARINHO serve como uma chamada à consciência da cidade”

TV DIARINHO

Uma criança morreu atropelada por um caminhão no bairro São Vicente, em Itajaí, no final da manhã deste ...




Especiais

TURISMO

Japaratinga: vale a pena se hospedar no melhor resort do Brasil?

violência

Brasil tem um assassinato de pessoa trans a cada três dias

Programa diferente

Na Estrada: Escapada pra Curitiba num finde de verão

Presidente do STM

Acampamentos golpistas “foram tolerados por orientação” militar

Agropecuária

Bancada adota ‘discurso tóxico’ em anúncios nas redes sociais



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯








MAILING LIST

Cadastre-se aqui para receber notícias do DIARINHO por e-mail

Jornal Diarinho© 2024 - Todos os direitos reservados.
Mantido por Hoje.App Marketing e Inovação