Colunas


Coluna esquinas

Por Coluna esquinas -

Bolhas


Penso todo o dia sobre isso, mas não tenho soluções mágicas ou saídas que sirvam de conselhos. O fato é que ando mais uma vez decepcionado com os humanos.  Para quem gosta e estuda história, não é novidade que somos a pior praga do planeta e estamos observando, em plena pandemia, que andamos mesmo muito doentes. Carentes de humanidades.

Mas muita gente que se indigna  com comportamento distantes no tempo ou no espaço. Vejo comentários que se irritam com a escravidão colonial para, noutro dia, falar mal dos haitianos que “ocupam” o país. Ouço pessoas que facilmente se emocionam com uma reportagem sobre exploração infantil no outro lado do mundo, mas se mostram completamente insensíveis com crianças que pedem comida na porta do supermercado. Já discuti com alguém que acha perfeitamente normal negar a ciência hoje e cita Albert Einstein, Stephen Hawking, Marie Curie ou  Nise da Silveira em suas redes. Não me surpreendo mais quando acham justificativas para atos do atual governo federal e se emocionam com filmes antifascismo.

Vejo postagens de pessoas que, felizes, divulgam livros comprados na Amazon sem se perguntar sobre lucros bilionários dos donos ou da exploração (beirando à escravidão) de seus funcionários ao mesmo tempo em que lamenta que livrarias da sua cidade estão fechando as portas. Olha lá longe e não vê o que está em seu bairro.

O fato é que andamos fuçando nas redes sociais e permitimos que nossas casas sejam invadidas por conteúdos sensacionalistas que apelam para argumentos sem provas que nos dão a falsa ideia de que estamos sendo constantemente informados.  Essas informações, que não se conectam, tem uma forte carga emocional e radical que nos oferecem a clara sensação de que somos nós –e só nós – que temos a verdade. E, claro, nos achamos no direito de xingar e vociferar contra quem ousar dizer ao contrário.

Uma bolha fala mal de outra que fala mal de outra que por sua vez fala mal de outra.  Estamos sendo fragmentados e, bem sabemos na história, que esse é um primeiro passo para dominar. Um cunhado não recebe as mesmas informações que eu recebo em minhas redes. Meu vizinho de porta recebe noticias e produtos direcionados ao perfil dele. Meu irmão tem informações que eu não tenho sobre a pandemia ou sobre a política nacional.

O algoritmo cria filtros nos sites de relacionamento e um sistema de crenças nos impulsiona em direção ao que nos conforta e satisfaz. A acomodação sempre foi e é mais fácil de nos adaptarmos. Essas bolhas afetam o modo como pensamos e aprendemos e tem colocado em crise algum fundamental para o bem viver: o diálogo.

Falei inicialmente que não tenho conselho para resolver isso, mas gosto de relembrar uma brincadeira antiga chamada telefone sem fio. Lembram?

Nada se espalha melhor do que um boato. Ou atualizando, nada se espalha melhor do que uma fake News.  Cada conto espalha um ponto. Fofocas vão longe, os fofoqueiros não.

P.s.: tenho perdido muitas pessoas queridas que vivem em outras bolhas. Isso sim me entristece.


Comentários:

Deixe um comentário:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.

Leia mais

Coluna esquinas

Grasna, pato, grasna

Coluna esquinas

Quinquilharias

Coluna esquinas

Touch, mentiras e uma hashtag

Coluna esquinas

Os 10 dias em que ouvimos a palavra GRITO

Coluna esquinas

Ferida aberta

Coluna esquinas

Proa da palavra

Coluna esquinas

Breve história de um muro

Coluna esquinas

A mão invisível da realidade

Coluna esquinas

O segredo dos dias

Coluna esquinas

Pantufas para pisar na lua

Coluna esquinas

Exercício de ser criança

Coluna esquinas

O instante antes do escuro

Coluna esquinas

Dentro da noite

Coluna esquinas

Imagino, logo existo

Coluna esquinas

Hoje é quase horizonte

Coluna esquinas

Língua Solta

Coluna esquinas

Curto-circuito

Coluna esquinas

Posso dar um pitaco?

Coluna esquinas

Tirando poeira das ideias

Coluna esquinas

Qual é a sua felicidade?



Blogs

Blog do JC

Quadrangular 71 anos

A bordo do esporte

Volta ao Mundo Globe40 parte para a Argentina

Blog Doutor Multas

Fumar e dirigir dá multa?

Blog do Ton

Festa The Box comemora 5 anos neste fim de semana em Balneário Camboriú

Blog da Ale Francoise

Os poderes da Spirulina!

Blog da Jackie

Spring Party

Blog Clique Diário

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado



Entrevistão

Alvim Sandri

"Levei a vida que a minha mãe ensinou: fé em Deus e andar certo

Marcelo Sodré

"A hora que entrar o contrato de arrendamento essa agonia se dissipa. As empresas vêm pra fazer o porto continuar crescendo”

James Winter

“Só vai haver desemprego e demissão em massa se não tiver carga aqui no Porto de Itajaí”

Décio Lima

"Hoje, de R$ 97 bilhões que são arrecadados pelo governo federal em Santa Catarina, apenas R$ 7 bilhões voltam”

TV DIARINHO

Entrevistão com Alvin Sandri



Podcast

Entrevistão com Alvin Sandri

Publicado 03/12/2022 10:10


Especiais

OLHO NA DOSE

Pesquisa de preço mostra onde bebidas quentes são mais baratas

Na Estrada com o DIARINHO

Maravilhas naturais fazem de Bombinhas o Caribe catarinense

Itajaí

Do imóvel popular ao de altíssimo padrão são as apostas da Lotisa

Alto padrão

Procave agrega valor e exclusividade

Itajaí

Mercado da Brava continua em crescimento



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯








Jornal Diarinho© 2022 - Todos os direitos reservados.
Mantido por Hoje.App Marketing e Inovação