Colunas


Coluna esquinas

Por Coluna esquinas -

“Não tem boca para nada”


Acostumamo-nos com o silêncio nesse país. Não o silêncio contemplativo, mas o silêncio de apagamento. “Cala a boca preta” “Não nega a cor!” “Bugre preguiçoso” “Tem que ser índio para ter feito essa m...”  “Quem manda aqui sou eu”

 

Bora virar assinante para ler essa e todas as notícias do portal DIARINHO? Usuários cadastrados têm direito a 10 notícias grátis.


Esqueci minha senha




Se você ainda não é cadastrado, faça seu cadastro agora!


 







 





Cala a boca já morreu!

Observo alguns dias reações em redes sociais sobre resultados eleitorais e, impactado, leio comentários racistas, homofóbicos, xenófobos, machistas. Impressionante como essa gente estúpida está se achando empoderada com autorização de milicianos que tomaram o governo. Essas vozes que não conhecem o silêncio porque são elas que dizem “cala a boca” a quem ousa desafiá-la.

O antropólogo Darcy Ribeiro dizia que o Brasil padecia dessa “ninguendade”. Em suas palavras: “Eram todos filhos de ninguém. E dessa ninguendade nasceu um novo povo único sem precedentes no mundo”.

Sou filho de uma índia charrua que casou com um descendente germânico na periferia do Brasil. Não sou índio nem branco. Sou aquilo que, no Brasil Colônia chamavam de “filho da terra”, com muito orgulho. Não me encontro na cultura germânica e, muito menos, sou visto como um indígena. Fiquei alguns anos nesse limbo cultural sem me reconhecer. Não tenho mais esse problema, assumi que sou filho da terra que piso.

Gosto das diferenças étnico-culturais desse país. Essa multivariedade facial que se encontra nas ruas e fala em sotaques que, algumas vezes, pedem legenda para compreendermos. Esse caldeirão de povos, cores e ritmos faz a boniteza desse país.

E não é que é exatamente essa diversidade multicolorida que está sendo atacada? Vendo comentários excludentes sobre trans, negros, mulheres e indígenas que foram eleitxs, deparei com essa cena revoltante de um país em embate consigo. Esta “ninguendade” produzida na História do Brasil é a face mais visível da invisibilização do outro.

Em tão poucos caracteres é difícil ampliarmos o papo por aqui. Mas não posso deixar passar essa briga com um espelho que insiste em não ter imagens. Somos um país que não enxerga a si diante a história que coloca negros e indígenas em guerra constante para serem vistos. Um país que mais mata LGBTQI+ e mulheres. Um país que nega, insistentemente, a sua história.

Caminhando na contramão da vida, esse país não olha para o seu povo, insistindo em deixá-lo invisível. “Negro insolente!” “Índio preguiçoso!”  ainda bem que “não tem boca para nada”, hoje conquista direito de fala, defende pautas fundamentais para o futuro do país, é eleito, defende sua etnia, grita por terra e direitos. Assume o país que é seu.

O mundo é interação entre  diferenças étnico-culturais que criam e recriam modos de existência. A vida é plural. A uniformidade – além de burra – é a morte.

Fica a dica:

O filme: Que horas ela volta? (Ano 2015. Direção: Anna Muylaert). A personagem trabalha como empregada  numa casa de classe alta e expõe as diferenças entre as pessoas e como cada um enxerga a humanidade do outro.


Comentários:

Deixe um comentário:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.

Leia mais

Coluna esquinas

Grasna, pato, grasna

Coluna esquinas

Quinquilharias

Coluna esquinas

Touch, mentiras e uma hashtag

Coluna esquinas

Os 10 dias em que ouvimos a palavra GRITO

Coluna esquinas

Ferida aberta

Coluna esquinas

Proa da palavra

Coluna esquinas

Breve história de um muro

Coluna esquinas

A mão invisível da realidade

Coluna esquinas

O segredo dos dias

Coluna esquinas

Pantufas para pisar na lua

Coluna esquinas

Exercício de ser criança

Coluna esquinas

O instante antes do escuro

Coluna esquinas

Dentro da noite

Coluna esquinas

Bolhas

Coluna esquinas

Imagino, logo existo

Coluna esquinas

Hoje é quase horizonte

Coluna esquinas

Língua Solta

Coluna esquinas

Curto-circuito

Coluna esquinas

Posso dar um pitaco?

Coluna esquinas

Tirando poeira das ideias



Blogs

A bordo do esporte

Inaê Sailing Team segue entre os primeiros da Copa Mitsubishi

Blog do JC

Não sabe de nada...

Blog da Jackie

Verão, calor, quentura e mormaço

Gente & Notícia

Warung reabre famoso pistão, destruído por incêndio, com Vintage Culture em março

Blog da Ale Francoise

Intestino preso, use todos os dias

Blog do Ton

Medicina Estética

Blog Doutor Multas

Como parcelar o IPVA de forma rápida e segura

Blog Clique Diário

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado



Entrevistão

Entrevistão Adão Paulo Ferreira

"Porto sozinho não serve para nada. Ele precisa ter navios, linhas"

Irmã Simone

"Aqui nós atendemos 93% SUS”

Eduardo Rodrigues Lima

"A Marinha já fez 27 mil abordagens a embarcações no Brasil inteiro”

Edison d’Ávila

"O DIARINHO serve como uma chamada à consciência da cidade”

TV DIARINHO

Leilão de carros apreendidos em Santa Catarina deve ser mais agilizado com parceria entre Detran e Tribunal ...




Especiais

MEIO AMBIENTE

Ibama proíbe pulverização aérea de agrotóxico letal a abelhas, o tiametoxam

Caso Ilha de Marajó

Vereadora de Navegantes está entre os políticos que impulsionaram fake news sobre exploração sexual infantil

TURISMO

Japaratinga: vale a pena se hospedar no melhor resort do Brasil?

VIAGEM NO TEMPO

Museu do Carro traz nostalgia e diversão sobre o universo automotivo

NOVOS TEMPOS

SC é pioneira na promoção da mobilidade elétrica



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯








MAILING LIST

Cadastre-se aqui para receber notícias do DIARINHO por e-mail

Jornal Diarinho© 2024 - Todos os direitos reservados.
Mantido por Hoje.App Marketing e Inovação