Colunas


Editorial

Por Editorial -

A engrenagem pútrida


Ainda tenho minhas dúvidas sobre como o Brasil, que tem muita gente que não presta, poderá ir para frente. Em cada depósito de esperança, surgem novas dívidas de desgraça.

Este país é tomado por aproveitadores, corruptos, assassinos e ladrões desde o cerne de movimentos populares às cúpulas de decisão.

Os grandes debates políticos concentram-se no impasse entre estado e mercado, mas deveriam primeiramente identificar onde está o “bem” e o “mal”.

Os fragmentos do mapa do Brasil são assenhoreados em vez de compartilhados pelos tupinicas. Há raras exceções dos que se marginalizam da engrenagem pútrida por discordar de seu funcionamento.

O termo “engrenagem” substitui o eufemismo “sistema”, porque este já faz parte do vocabulário da condescendência e da resignação. Receitas de um país cuja culinária é apropriada pelos indivíduos, grupos e países pujantes.

É fácil mudar um sofá de lugar, mas o mesmo não se pode dizer da cultura. Muito menos da cultura clientelista e vassala que se propaga na velocidade de um vírus H1N1 neste nosso “país do futuro”.

A venalidade dos políticos em corrida eleitoral anula qualquer pretensão de desenvolvimento no Brasil. O voto de um eleitor ponderado é imediatamente anulado pelo de outro que recebeu uma cesta básica para sustentar a horda de filhos que dispõem de um triste destino pré-natal: a pobreza espiritual e material. A produção em série de descendentes é interessante para os mordedores do mapa tupinica.

É um problema duplo: de ordem educativa e econômico-social.

Dando continuidade ao tema da decadência tupinica, entorpece o fato de que viver atrás das grades tem sido opção em vez de flagelo. Somado à constatação de que “autoridades” têm direito à cela com televisão por assinatura e ar-condicionado, quando não burlam a justiça por sua posição de destaque nos negócios e na sociedade, o criminoso que recolhe a taxa mensal como segurado da Previdência Social tem direito ao auxílio-reclusão, que é uma bolsa de R$ 798,30 dirigida à família do presidiário que tiver filhos.

O valor é maior que o salário mínimo de R$ 510. A condição de presidiário lhe dá esse direito renovável a cada três meses pelo tempo em que estiver recluído. O criminoso sustenta a família sem laborar, enquanto o trabalhador livre muitas vezes ganha menos por uma atividade pesadíssima e sofre as piores explorações, inclusive do próprio estado.

O Brasil está nadando em merda.Presidiários deveriam trabalhar para a sociedade, por exemplo na colheita ou construção civil, em retribuição ao dano causado e na emulação de sistemas carcerários que funcionam. Não há desgraça pior que o nosso complexo presidiário.

Não tarda muito para que apareça a expressão de que “falta vontade política” para mudar uma situação cujo desajuste é evidente e impostergável.

Em algum momento de meu ativismo, expressei que podemos perder tudo menos a nossa capacidade de sonhar. Chegou o momento em que temos que elevar a sinalização de protesto antes de que o lugar mais digno de viver seja a placenta.

Precisamos impulsionar a educação, reinventar a política e dizer basta aos excessos cometidos contra a cidadania. O mapa tupinica está cheio de mordidas e, por isso, apresenta-se desgastado.

Chegará o momento das pessoas de bem, que não farão oposição em prol de interesses de classe senão de um convívio coletivo e responsável.

A esperança reside naqueles que preservam os sonhos.


Comentários:

Deixe um comentário:

Somente usuários cadastrados podem postar comentários.

Para fazer seu cadastro, clique aqui.

Se você já é cadastrado, faça login para comentar.

Leia mais

Editorial

O rigor da lei ao dos justiceiros

Editorial

Os nossos 35 anos...

Editorial

A alegria de ser o mais lido

Editorial

O filho do “rei”

Editorial

Mais um ano, parabéns, DIARINHO!

Editorial

A violência da qual nossa equipe foi vítima e o descaso da Polícia Militar

Editorial

Como recuperar a voz?

Editorial

A regata se foi. E agora?

Editorial

E chegou, enfim, o grande dia!

Editorial

DIARINHO, mais um ano!

Editorial

Pra que servem os vereadores?

Editorial

ORAÇÕES

Editorial

ORAÇÕES

Editorial

Santa & Bela dos farristas

Editorial

Marcílio Dias: uma paixão de 91 anos

Editorial

Turista do medo

Editorial

Pequenos construtores do Brasil

Editorial

O trabalho na terra do Carnaval

Editorial

Sobre roubos e assaltos

Editorial

Carnaval de Balneário Camboriú



Blogs

A bordo do esporte

Com visuais deslumbrantes, novo percurso curto do L'Étape Cunha é anunciado

Blog do JC

Lula e o genocídio

Gente & Notícia

Churrasco On Fire, da dupla Fernando e Sorocaba, chega a Massaranduba

Blog da Ale Francoise

Intestino preso, use todos os dias

Blog da Jackie

O ‘sim’ de Ângela e Dolor

Blog do Ton

Medicina Estética

Blog Doutor Multas

Como parcelar o IPVA de forma rápida e segura

Blog Clique Diário

Pirâmides Sagradas - Grão Pará SC I

Bastidores

Grupo Risco circula repertório pelo interior do Estado



Entrevistão

Irmã Simone

"Aqui nós atendemos 93% SUS”

Eduardo Rodrigues Lima

"A Marinha já fez 27 mil abordagens a embarcações no Brasil inteiro”

Edison d’Ávila

"O DIARINHO serve como uma chamada à consciência da cidade”

Hang Ferrero

“Administrar a vida é particularmente difícil. Mas amar de maneira ampla é absolutamente fácil. Amar é revolucionário. Amem com todo o esforço que puderem suportar”

TV DIARINHO

Um bandido se assustou com um morador e desistiu de roubar um condomínio na rua Brusque, no bairro Dom ...




Especiais

violência

Brasil tem um assassinato de pessoa trans a cada três dias

Programa diferente

Na Estrada: Escapada pra Curitiba num finde de verão

Presidente do STM

Acampamentos golpistas “foram tolerados por orientação” militar

Agropecuária

Bancada adota ‘discurso tóxico’ em anúncios nas redes sociais

Itajaí

Coleta seletiva tem contrato milionário não fiscalizado



Hoje nas bancas


Folheie o jornal aqui ❯








MAILING LIST

Cadastre-se aqui para receber notícias do DIARINHO por e-mail

Jornal Diarinho© 2024 - Todos os direitos reservados.
Mantido por Hoje.App Marketing e Inovação